• Arte e cultura
  • No Dia da Favela, CUFA realiza primeiro Festival Favela Literária, no Viaduto de Madureira

No Dia da Favela, CUFA realiza primeiro Festival Favela Literária, no Viaduto de Madureira

Evento cultural vai acontecer nos dias 3 e 4 de novembro

A Central Única das Favelas (CUFA) vai realizar o seu primeiro Festival Favela Literária, nos próximos dias 3 (domingo) e 4 (segunda) de novembro, em sua sede no Rio de Janeiro, no Viaduto de Madureira. Trata-se de um evento que visa valorizar a literatura e a cultura de favela, em geral, expondo obras escritas por moradores destes territórios.

 

Além da exposição de livros, o festival vai contar com diversas atividades como palestras, saraus, rodas de poesia, entre outras atividades. Em ambos os dias, o evento vai acontecer das 10h às 22h.

 

Às 14h, acontece uma roda de conversas e palestras com escritores de favelas. No primeiro dia, Anderson Quack media a roda, que terá o tema Produção Literária na Favela, Periferia e suas Manifestações. Participam do Tião Santos, Luis Fernando Pinto, Rejane Barcelos e Marcos Diniz.

 

No segundo dia, o mesmo tema será debatido, no mesmo horário, com a mediação de Binho Cultura, e falas de Rene Silva, Anderson Quack, Jonathan Aguiar, Lu Ain-Zaila e Jessé Andarilho.

 

Alguns dos nomes confirmados na atividade são Anderson Quack, da Cidade de Deus, Adriana Kairós, da Maré, Renê Silva, do Complexo do Alemão, Binho Cultura, da Vila Aliança, e Tião Santos, de Jardim Gramacho.

 

“A favela é uma grande potência cultural. Um evento desses vem para valorizar e, sobretudo, mostrar para toda a sociedade a força que esses territórios têm, com palestras de grandes autores”, explicou Nega Gizza, diretora da CUFA.

 

O festival é o primeiro de uma série que a CUFA pretende realizar em todo o Brasil, para potencializar o trabalho de agentes culturais locais, que impactam diretamente no dia a dia do território que vivem.

Para expressar ainda mais a cultura de favela, o evento vai contar com intervenções artísticas de grupos destes territórios como a Companhia de Dança Passinho Carioca (funk), Instituto Black Boom (Charme), Slam Maré Cheia (Poesia),  Contação de Histórias (Literatura Verbalizada), entre outros que irão representar toda a musicalidade e poesia construídas na favela e pela favela.

A data deste festival foi escolhida devido ao dia 4 de novembro ser o Dia da Favela, representando a primeira vez que um território foi designado desta forma em um documento oficial. O Morro da Providência em 1900.